S. Marcos, Evangelista – 7.º Aniversário da Sagração do Bispo Diocesano – 25 de abril de 2020

S. Marcos 1,1-15

S. Marcos, Evangelista – 7.º Aniversário da Sagração do Bispo Diocesano

Para aqueles que esperavam ansiosamente um reino Messiânico, no qual Deus satisfaria as suas aspirações, expulsando os conquistadores estrangeiros, e redimindo Israel para viver uma nova ordem de justiça e paz, a pregação de João Batista acende a esperança de que a intervenção divina está próxima. No meio desse tempo, surge Jesus, proclamando a essência das boas novas de Deus:

“O tempo está cumprido e o reino de Deus está próximo; arrependei-vos, e crede no evangelho “.

Jesus declara que o tempo de espera está cumprido, pois agora Deus está ativamente empenhado em realizar aquilo que tinha prometido. Chegou o momento propício para que Deus entre na história humana e estabeleça o seu reino. Esta iniciativa de Deus requer um compromisso dos homens e das mulheres, pois nada poderá ser cumprido sem envolvimento humano.

“Arrependei-vos e crede no evangelho!” Com esta interjeição, Jesus define a resposta que Deus quer para aqueles que desejam pertencer ao reino. Os que se arrependem humildemente reconhecem, diante de Deus, que não conseguiram fazer tudo o que é certo e confessam que não controlam os seus próprios destinos.

Por outro lado, crer verdadeiramente nas boas novas resulta num ato de obediência. O conceito de Fé no evangelho de Marcos não é uma ideia abstrata, mas significa aceitar ter uma vida dominada pela presença e influência de Deus. Isso esclarece que as boas novas de Deus confrontam, cada pessoa, com a sua decisão de submeter-se a ele ou, ao invés, continuar a controlar a sua própria vida.

Entretanto, na pessoa de Jesus, o reino de Deus, embora encoberto, já está presente, convidando todos os homens e mulheres a aceitar o reino de Deus, com as suas responsabilidades e privilégios.

A proclamação de Jesus motiva o resto da história do Evangelho. Marcos apresentará estudos de caso que demonstrarão o compromisso radical que a lei de Deus requer para aqueles que creem, no evangelho. Desse modo, veremos como nós, também, podemos gozar os privilégios e cumprir as responsabilidades daqueles que vivem sob o domínio de Deus.

Pedro Fernandes, Diácono

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *